Como racionalizar e evitar o desperdício de água

“A água é o líquido vital de todas as formas de vida terrestre. Sem ela, humanos, animais e plantas morrem de sede e não se pode plantar ou produzir nada. A superfície da Terra é composta por 70% de água. No entanto, somente 30% dessa água é potável e, desse volume, 29% estão presos nas calotas terrestres e geleiras. Ou seja, somente 1% de toda a água do mundo é composto pelos rios e lençóis subterrâneos. No Brasil, 40% de toda a água tratada é desperdiçada e, não à toa, estamos em 12° lugar no ranking de nações que mais desperdiçam água. É claro que uma grande parte dessa perda é responsabilidade da má administração de recursos naturais por parte da indústria e dos órgãos públicos; no entanto, como consumidores, também temos a tarefa de economizar esse bem tão escasso no nosso dia a dia. Com informação e algumas técnicas simples, é possível minimizar o desperdício e contribuir para uma vida mais sustentável.

Dicas para racionalizar o consumo de água

1.Instale um hidrômetro. Você pode até se assustar com o volume de água que está usando. Instale um hidrômetro (o que, no Brasil, já é obrigatório por lei) para ficar mais a par dessa quantidade.

Aprenda a ler o hidrômetro. Esses equipamentos ajudam a encontrar vazamentos. Para isso, leia-o, espere uma ou duas horas sem usar a água da casa, e repita a leitura. Se algo estiver diferente, é porque a água está vazando.

2.Inspecione suas instalações hidráulicas. Se tem uma coisa que pode causar um tremendo desperdício de água é ter vazamento em torneiras, no vaso sanitário, tanque, chuveiro, etc. Uma gota que se perde por segundo resulta em 30 L perdidos de água por dia.

  • Feche o registro da casa e observe o hidrômetro; se ele continuar girando mesmo com o registro fechado, há um vazamento escondido. Procure pontos de mofo, infiltrações e chame um encanador para reparar o problema.
  • Use arejadores nas torneiras e no chuveiro. O gasto médio de uma torneira convencional varia entre 8 L e 20 L por minuto; já com o arejador, a média cai para 3,6 L por minuto.

3. Troque a válvula de descarga por uma dual flush. Essas válvulas têm dois botões que liberam quantidades de água diferentes para dejetos líquidos e sólidos.

  • Outra opção é instalar uma caixa de descarga no vaso sanitário. A válvula de parede libera muito mais água do que o necessário e sem restrição. As caixas de descarga liberam somente 6 L de água por descarga, o suficiente para fazer descer qualquer coisa.

4. Instale duchas feitas para conservar água. A maioria das duchas normais solta cerca de 9,5 L de água por minuto, enquanto outras soltam o dobro disso. Instale uma ducha econômica que mantenha a pressão e o fluxo do líquido, mas que use metade do volume normal.

  • O preço dessas duchas varia de acordo com a qualidade, mas elas não são tão caras.
  • Desligue a ducha na hora de se ensaboar, passar xampu e condicionador etc.

5. Instale um aerador de torneira. Esse aerador leva ar à água, o que deixa a corrente mais estável e diminui o volume do líquido. Não é caro e nem difícil fazer a instalação (que só envolve alguns movimentos de torção).

6. Mantenha um balde no banheiro, um na cozinha e um na área de serviço.

  • No banheiro, use-o para recolher a água do chuveiro enquanto você testa a temperatura.
  • Na cozinha, recolha a água resultante do descongelamento da geladeira, ou da torneira se ela estiver vazando; ela pode ser usada para enxaguar a louça.
  • Na área de serviço, use o balde para recolher a água do segundo enxágue da máquina de lavar, pois ela pode ser usada para diversas finalidades como lavar a casa, dar a descarga, lavar o carro, etc.

7. Feche a torneira enquanto ensaboa as mãos, se barbeia ou escova os dentes.Não existe propósito em manter a torneira aberta enquanto não está em uso e não custa nada fechá-la entre um enxágue e outro da lâmina.

  • Da mesma forma, quando escovar os dentes e lavar as mãos, a água que escorre sem finalidade pode resultar em muitos litros desperdiçados. Prefira fechar a torneira.

8. Não lave o carro, quintal ou calçada com mangueira. Nessas situações, prefira usar a água que armazenou das lavagens de roupa.

  • Use um balde e uma esponja para ensaboar e enxágue com parcimônia. Um pano molhado também pode ajudá-lo a controlar melhor a quantidade de água que usará para se livrar do sabão. Além disso, nunca lave o carro em períodos de estiagem e sempre use uma vassoura para limpar a calçada e o quintal.

9. Lave determinadas roupas com menos frequência. Você não precisa lavar muitas peças de roupas, como calças e bermudas jeans, casacos e blusas, toda vez que usar. Veja quais itens estão sujos demais e quais dá para vestir outra vez. Isso não só ajuda a poupar água, mas também preserva o tecido!

  • É normal usar pijamas e outras roupas para dormir duas ou três vezes antes de lavar, ainda mais para quem toma banho antes de se deitar.
  • Troque as meias e roupas íntimas todos os dias, mas use calças, peças jeans e saias mais de uma vez entre cada lavagem.
  • Se você usar casacos e blusas, só precisa lavar a peça que fica embaixo delas com mais frequência.
  • Pendure as toalhas no varal ou no banheiro depois de cada banho e use-as várias vezes entre as lavagens.

10. Enxague os alimentos com a pia cheia ou uma panela d’água. Quando você quiser lavar frutas, verdura, legumes etc. com água, encha uma panela ou bacia e mergulhe tudo — em vez de passar cada item pela torneira. Você vai poupar bastante do líquido e ainda pode reutilizar a água coletada para regar algumas plantas.

11. Tenha uma boa caixa d’água. Se você mora em casa, invista em uma caixa d’água de qualidade e não deixe que ela transborde. Uma caixa com defeito perde grandes volumes de água.

  • Se mora em prédio, discuta a possibilidade de individualizar as contas de água. O fato de ela estar incluída no condomínio dificulta o controle do consumo. Além do mais, certamente há vizinhos que gastam mais do que outros, onerando quem não usou tanta água assim.

12. Desenvolva um método para lavar a louça. Limpe os restos de comida no lixo e feche a torneira enquanto ensaboa todas as peças de uma vez. Só depois que ter passado detergente em tudo abra a torneira para enxaguar.

  • Isso também vale para o momento de colocar os pratos e outros utensílios no escorredor. Ficar equilibrando potes e formas no escorredor com a torneira aberta gasta litros e litros de água. Com isso em mente, feche a torneira e faça sua obra de arte com tranquilidade.
  • Outro aspecto importante da louça é o detergente. Escolha um que seja biodegradável, preferencialmente sem fosfato.
  • Quando descartar o óleo das frituras, use recipientes como garrafas pet em vez de jogá-lo na pia e descarte-os em um ponto de coleta. Uma gota de óleo pode contaminar até 400.000 L de água, um número quase impensável.

13. Recolha a água da chuva. Detecte os pontos de sua casa que têm mais escoamento de água da chuva e posicione vários baldes nesse lugar.

  • Quando eles estiverem cheios, use um funil e armazene a água coletada em galões de 5 L com tampa. Quanto mais galões você tiver, melhor. Essa água pode ser usada para diversas finalidades, exceto para consumo e banho.

14. Tome banhos mais curtos. Uma grande parte da água consumida é destinada aos banhos. Reduza o tempo em que fica debaixo do chuveiro e feche-o enquanto estiver se ensaboando.

  • Para ser ainda mais econômico, passe o xampu no cabelo no mesmo momento em que se ensaboar. Assim, como com a louça, você só precisará se enxaguar uma vez.

15. Use técnicas eficientes para regar as plantas. Você não precisa desperdiçar água para cuidar da grama e das plantas. Regue as áreas mais urgentes — e só quando não estiver chovendo.

  • A melhor hora do dia para regar as plantas é de manhã ou à noite, quando a água demora mais para evaporar. Além disso, não regue nada em dias frios, com chuva ou muito vento.
  • Use um regador ou compre um bucal especial para a mangueira.
  • Você pode criar um sistema de coleta da água da chuva para usá-la na rega das plantas, da grama ou da horta.
  • Regue as plantas bem, mas com menor frequência. Assim, elas vão desenvolver raízes mais profundas e precisar de menos hidratação.

16. Controle o tempo que você usa água. Coloque um temporizador nos sprinklers e nas torneiras externas. Compre acessórios automáticos baratos ou invista em algo melhor e instale no sistema de irrigação. Algumas opções até calculam a melhor parte do dia para regar as plantas.

  • Se você regar algo manualmente, ative um cronômetro antes de ligar a água ou fique com a mangueira o tempo todo.
  • Aprenda a ajustar o cronômetro dos sprinklers ou do sistema de irrigação de acordo com a época do ano. Regue as plantas menos em determinadas épocas e não regue nas épocas de clima mais úmido.
  • Não exagere na rega e nem use mais água que o solo é capaz de absorver. Se ela começar a escorrer ou acumular, diminua o tempo ou separe o processo em duas partes menores.

17. Cuide bem dos sprinklers e demais aparelhos de irrigação. Use os cronômetros para ficar sempre a par da irrigação das plantas. Conserte os sprinklers quebrados e veja se eles estão indo nas direções certas.

Use um sistema de irrigação por gotejamento ou algo do tipo para poupar ainda mais água.

  • Se necessário, ajuste os sprinklers para que eles só reguem as áreas que precisam de água, e não a calçada e afins.

18. Não lave a calçada com a mangueira. Prefira sempre usar a vassoura e outras ferramentas de limpeza. Se a calçada estiver muito suja, encha um balde com água ou deixe a chuva lavar o local. A mangueira só gera desperdício.

19. Cubra a piscina. Se você tem piscina em casa, use uma lona para cobri-la nas épocas mais quentes do ano para evitar que a água evapore. Em alguns locais, é muito difícil ou caro reencher o tanque com água limpa — o que torna a preservação uma prioridade.”

Fonte: Wikihow goo.gl/eH99hA | goo.gl/6DwDRj

Compartilhe: