12 destinos nacional para os amantes de cachoeiras

“Entre as inúmeras belezas naturais do Brasil, as cachoeiras são uma das que mais impressionam os turistas. As belas quedas d’água, emolduradas pelo imenso verde que as cercam, formam um cenário único, repleto de atrativos para os apaixonados pela natureza. São milhares de litros de água caindo por minuto criando um verdadeiro espetáculo.

Pelos 27 estados brasileiros, o que não faltam são exemplares incríveis de cachoeiras de todos os tipos. Grandes, pequenas, acessíveis ou não, para banho ou contemplação. É impossível não inclui-las em um bom roteiro de ecoturismo pelo país.

Para os amantes das águas refrescantes – e quase sempre gélidas – de uma cascata, listamos a seguir doze lugares imperdíveis para curtir e observar esses pequenos – nem sempre no tamanho – refúgios da natureza. Confira:

Pirenópolis, GO

Foto por Istock/ wesleysilvayaya

Foto por Istock/ wesleysilvayaya

Cidade histórica, uma das primeiras do estado de Goiás, Pirenópolis é abraçada pela serra que deu origem ao seu nome, com montanhas cobertas pela raríssima vegetação de cerrado rupestre, natureza exuberante, formações rochosas, nascentes e dezenas de cachoeiras.

As quedas d’água, inclusive, já renderam fama internacional à pequena cidade. São mais de 80 cachoeiras, quase todas abertas à visitação e, graças à localização geográfica da cidade, com baixa salinidade e águas cristalinas – ou seja, perfeitas para banho.

A maioria delas fica em reservas ecológicas, com estrutura para visitação, e cobram uma taxa de entrada. Vale consultar um guia local para indicar, de acordo com o perfil do turista, um roteiro ideal.

Entre os destaques estão: a Cachoeira do Abade, com 22 metros de queda e uma opção de rapel, além das trilhas; a Cachoeira dos Dragões, formada, na verdade, por oito quedas de águas cristalinas, tendo, a maior, mais de 70 metros de altura; a Cachoeira Meia Lua, que se destaca por seus 200 metros de corredeiras; a Cachoeira do Paraíso, que forma seis piscinas naturais; e a Cachoeira do Bonsucesso, que fica a apenas 5 quilômetros do centro da cidade.

Chapada das Mesas, MA

Foto por Adilson Zavarize

Foto por Adilson Zavarize

A região da Chapada das Mesas, no sul do Maranhão, está entrando de vez no roteiro dos brasileiros. E as cachoeiras são um dos principais motivos desse sucesso. Somente em Carolina, já foram catalogadas mais de 100 cachoeiras além de 400 nascentes e, por isso, a cidade tem o apelido de “Paraíso das Águas”, ou Pla­neta Água!

ocê pode começar o seu roteiro visitando as Ca­choeiras de Itapecuru, ou também conhecida como cachoeiras gêmeas. Aqui, há infraestrutura para você passar a manhã inteira curtindo as águas que despen­cam de duas lindas quedas, formando um imenso lago onde você também pode andar de caiaque. Ela fica no povoado de São João das Cachoeiras, a 30 quilôme­tros do centro de Carolina.

A majestosa cachoeira de São Romão é um dos mais belos cartões postais do Parque Nacional da Chapada das Mesas. A queda d’água é a maior em volume de água do Rio Farinha e abriga a espécie nativa de andoriões do cerrado.  Situada a 82 km do centro de Carolina, tem acesso via estrada pavimentada e vicinal. O ideal é a contratação de uma agência de receptivo com guia especializado. Chegando à Cachoeira, você encontra um típico empreendimento de base comunitária idealizado pelo proprietário Jorge Marinho Espíndola e sua família.

Em Riachão você irá encontrar também outros poços e cachoeiras que valem uma visita.

Os destaques ficam por conta do Encanto Azul, com águas transparentes, de um belíssimo azul, cercadas de enormes rochas de arenito e árvores nativas e frutíferas do cerrado. Perfeito para a prática do snorkeling, sempre na companhia de pequenos peixes; e do Poço Azul que, além do lago, conta com outras seis cachoeiras, cada uma com sua peculiaridade.

Presidente Figueiredo, AM

Foto por Embratur

Foto por Embratur

Presidente Figueiredo é mais conhecida como A Terra das Cachoeiras. Localizada a 107 quilômetros de Manaus, é uma das poucas cidades onde se pode chegar de carro a partir da capital, em um percurso de pouco mais de uma hora. Devido a sua fartura de águas, selvas, recursos naturais, cavernas e cachoeiras, o destino vem despontando cada vez mais para o turismo.

Já foram catalogadas mais de 100 cachoeiras de diversos tamanhos e formatos, além de corredeiras. A maioria dos atrativos possibilita a prática de esportes radicais e de aventura como rafting, boia cross, caiaque, tirolesa, rapel, espeleologia, arvorismo e trilhas na selva. O lago da hidrelétrica de Balbina também tem aproveitamento turístico.

A Cachoeira do Santuário é uma das mais belas do município, com três quedas d’água, sendo que a maior atinge cerca de 15 metros. Com boa estrutura para o turismo, o local conta com chalés, piscinas e restaurantes que atendem hóspedes e não hospedes. E, para completar, nas suas margens são formadas pequenas piscinas que possibilitam aos visitantes um banho mais tranquilo.

Outra cascata bastante conhecida é a Iracema, que fica dentro do Parque Ecológico Iracema Falls. Com oito metros de altura, a cachoeira forma piscinas naturais – principalmente durante o período de vazante, de setembro a janeiro – perfeitas para um banho refrescante.

Chapada dos Veadeiros, GO

Foto por IStock/ Martinelli73

Foto por IStock/ Martinelli73

Essa região do nordeste goiano é recheada de belezas naturais. Do alto de seus 1600 metros de altitude, conta com mais de 300 cachoeiras espalhadas, principalmente, pelos municípios de Alto Paraíso, Cavalcante e Vila de São Jorge. Não a toa é chamada de “Berço das Águas”.

A mais famosa é a Cachoeira Santa Bárbara, de 30 metros, que chama a atenção por suas belas águas cor verde-esmeralda e piscinas naturais. A queda fica a poucos quilômetros de Cavalcante, dentro de uma Comunidade dos Quilombos Kalunga e tem visitação controlada.

Outra cascata bastante visitada é a Almécegas I. Localizada dentro da Fazenda São Bento, entre Alto Paraíso e São Jorge, a cachoeira tem fácil acesso e três principais formas de visitação: pelo mirante, onde se tem uma vista incrível de frente para a queda; de baixo, para os que não abrem mão de um mergulho; e dentro da cachoeira, com diversos poços para um momento de relax. O lugar é ideal, também, para a prática de rapel.

Formando o principal cartão-postal da Chapada, os Saltos do Rio Preto têm, respectivamente, 120 e 80 metros de altura. Situados a apenas um quilômetro da vila de São Jorge, formam um grande poço de 300 metros de diâmetro, perfeito para banhos. Vale lembrar que o primeiro salto não é aberto, podendo ser observado apenas do mirante, que fica a quatro quilômetros dali.

Foz do Iguaçu, PR

Foto por iStock/rmnunes

Foto por iStock/rmnunes

Patrimônio Natural da Humanidade pela UNESCO, Foz do Iguaçu não poderia ficar de fora dessa lista! Localizado exatamente na fronteira entre o Brasil e a Argentina, o conjunto de 275 quedas d’águas que formam as Cataratas do Iguaçu é um verdadeiro espetáculo da natureza.

Os mais radicais podem ir além de só apreciar a vista e também fazer o passeio de bote pelo rio para ver as cataratas mais de perto. Além disso, existem opções de arvorismo, rapel e safári, podendo ter contato direto com os animais nativos.

Além das icônicas quedas d’água, o destino conta com algumas cachoeiras “escondidas”, que recentemente ganharam roteiros exclusivos. O passeio Iguassu Secret Falls proporciona uma grande aventura em um cenário fantástico da natureza. Durante o tour, o turista conhece mais de 10 cachoeiras. Um espetáculo à parte são as hidromassagens naturais. Sendo seis trilhas que passam por cinco rios: Monjolo, Carimã, Tamanduá, Remanso e Arroio Corredeiras.

Chapada Diamantina, BA

Foto: Gervanio via Istock

Foto: Gervanio via Istock

Mais uma Chapada para lista! A Diamantina, que fica na Bahia, também conta com diversas atrações naturais de tirar o fôlego. E cachoeiras incríveis.

Considerada uma das maiores do país e da América do Sul, a Cachoeira da Fumaça impressiona os visitantes pelo seu imenso paredão e queda d’água de quase 400 metros de altura. O nome se refere ao efeito provocado pela força dos ventos, que impede a água de chegar à base, formando uma espécie de fumaça com as gotículas que são borrifadas para cima.

Já a do Buracão, que está localizada no Parque Natural do Espalhado, é uma das mais incríveis da região. São 85 m de queda d’água e um imenso cânion emoldurado por pedras folhadas que se encontram em um caudaloso poço. Para ter acesso ao local, é necessário estar acompanhado por um guia.

Para um roteiro mais longo, a dica é conhecer a Dos Cristais, que também passa pelas de Três Barras e Bequinho. Segundo o guia de turismo Joaab Rocha, ela tem esse nome por conta do brilho do quartzito na luz do sol, revelado quando o nível da água está mais baixo. O percurso dura cerca de três horas.

Brotas, SP

Foto por Adilson Zavarize

Foto por Adilson Zavarize

Brotas, a apenas 240 quilômetros da capital, é uma cidade que respira natureza. Cenário perfeito para a prática de turismo de aventura ou ecoturismo, o destino proporciona diversão em terra – com suas escaladas, rapel ou arvorismo – na água – seja num banho de cachoeira ou numa aventura de rafting – e no ar – descendo entre as tirolesas de tirar o fôlego

Para quem quer contemplar a natureza e tomar um banho de cachoeira ou de rio as opções são várias. Abertas à visitação, com infraestrutura para receber o turista, são onze cachoeiras – a queda da mais alta é de 60 metros – e cada uma com um atrativo e um charme específico. Sem falar nas paisagens, que são incríveis graças ao relevo assimétrico das cuestas com encostas cobertas de mata atlântica e pedras de arenito que afloram em meio à vegetação de cerrado.

Bonito, MS

Foto por Istock/ Ewerton Manzotte

Foto por Istock/ Ewerton Manzotte

Que Bonito faz jus ao nome, não é segredo para ninguém. Mas além da tão faladas grutas e rios, as cachoeiras formam um roteiro cheio de belezas naturais por lá.

A Boca da Onça é a maior queda d’água do Estado, com 156 metros de queda. O passeio se inicia com uma caminhada por trilha, num total de 5.560 metros, em meio da mata inteiramente preservada, as cenas magníficas renovam-se a cada passo, passando por 12 belas cachoeiras cristalinas. Para chegar à cachoeira principal, é preciso percorrer uma trilha de três horas pela mata e subir uma escadaria de mais de 800 degraus – ou subir de 4×4.

Localizado a 17 quilômetros da cidade, o Parque das Cachoeiras é um passeio de trilha com banho em cachoeiras que começa com um percurso de 1.800m. Ao longo da trilha existem 7 paradas para banho em cachoeiras e piscinas naturais do Rio Mimoso, uma das paradas é a Cachoeira da Carretilha que possui uma carretilha para saltar no rio. O visitante terá a oportunidade de desfrutar a vista das cachoeiras, a vegetação local, saltar e ainda avistar algumas espécies de animais. Ao final do passeio, os visitantes voltam na sede da fazenda para o almoço (opcional) com cardápio típico sul-mato-grossense com pratos quentes, saladas e doces artesanais.

Chapada dos Guimarães, MT

Foto por Eliria Buso

Foto por Eliria Buso

O Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso, entre outras maravilhas da natureza, preserva cerca de 480 cachoeiras, muitas delas não catalogadas. Para conhecer as principais, a melhor maneira é fazer um passeio pelo Circuito das Cachoeiras.

O roteiro de cerca de oito quilômetros passa por seis das mais bonitas cachoeiras da região. São elas: 7 de Setembro, Pulo, Degraus, Prainha, Andorinhas e Independência. Em um percurso de média intensidade, os visitantes se deparam com as quedas de diferentes tipos e alturas. As agências recomendam deixar a Andorinhas por último, para fechar com chave de ouro. A cachoeira é a mais alta do circuito, com 30 metros, e possui um ótimo espaço para banhos.

Fora do roteiro, a Véu de Noiva é uma das mais famosas da região e, com certeza, vale uma visita. São 80 metros de queda, formando um cenário único com o morro de arenito que dá o contraste do lugar. É possível observá-la tanto de cima, quanto de baixo, onde percebemos sua real imponência.

Jalapão, TO

Foto por IStock/ Luciano_Queiroz

Foto por IStock/ Luciano_Queiroz

Em alta, o Jalapão é um destino repleto de belezas encantadoras. São dunas, cânions, rios, fervedouros – pequenos lagos – e cachoeiras que formam um cenário paradisíaco e, ao mesmo, exótico.

Entre as águas cristalinas da região, se destacam: a Cachoeira da Fumaça, com duas grandes quedas e um poço verde-esmeralda; e a da Velha, a maior do Parque Estadual do Jalapão – em extensão -, com 20 metros de queda e 100 metros de largura.

Outro lugar imperdível é a Cachoeira da Formiga. Ela é especial principalmente por sua água límpida, de temperatura agradável e cor de esmeralda. O nome é dado por causa do Rio Formiga, e neste atrativo há diversas formas de aproveitar: ficando embaixo da ducha, subindo nas pedras, nadando na piscina natural, tudo isso diante de uma floresta rica repleta de samambaias, palmeiras e uma vegetação que torna um cenário ainda mais apaixonante.

Visconde de Mauá, RJ

Foto por Demétrio César Xavier

Foto por Demétrio César Xavier

Na divisa entre Minas Gerais e Rio de Janeiro, a vila de Visconde de Mauá é um reduto de paz esculpido pela natureza. Além de encontrar um reduto de frio e romantismo, existem atrativos naturais que encantam. A 1.300 metros de altitude, a vila e seus arredores reservam agradáveis surpresas aos visitantes. Os turistas podem se aventurar em mais de 100 cachoeiras catalogadas na região.

A principal delas, tida como cartão-postal do destino, fica a três quilômetros da vila de Maromba, com acesso fácil. A Cachoeira do Escorrega é um tobogã natural de 30 metros formado por uma pedra lisinha. O poço formado pela cachoeira é indicado para banhos, apesar da água gelada. Um deque sobre o rio abriga um bar, que serve bebidas quentes para quem encarar a aventura.

Outro destaque fica por conta do Alcantilado, um conjunto de nove quedas d’água que fica dentro de um sítio no Vale do Alcantilado. Para chegar até as cachoeiras, há uma trilha de 1,5 quilômetros. A última, e mais alta, chega aos 50 metros de altura.

Para quem gosta de aventura, a dica é conhecer a Cachoeira do Poção na vila da Maromba. A queda de seis metros forma, no final, um poço de sete metros de profundidade. É imperdível para quem não dispensa um mergulho cheio de adrenalina.

O acesso à algumas das cachoeiras de Visconde de Mauá é pago e os locais oferecem estrutura de visitação e alimentação – às vezes até hospedagem.

Cambará do Sul, RS

Foto por Istock/ diegograndi

Foto por Istock/ diegograndi

A cidade de Cambará do Sul, a 180 quilômetros de Porto Alegre, é famosa por seus cânions. Mas as cachoeiras não ficam para trás. Juntas, as formações criam um cenário único e espetacular.

No Parque Nacional de Aparados da Serra, por exemplo, está o cânion de Itaimbezinho, ponto mais famoso do lugar. Possui uma extensão de 5.800 m, paredes com altura de até 720 m, além de 600 m de largura. É dele que despenca a Cachoeira Véu de Noiva, que pode ser acessada por meio da trilha do Vértice.

Além disso, algumas agências oferecem passeio pela Rota das Cachoeiras.
A trilha é perfeita para apreciar os mais belos  campos de cima da serra e mata nebulosa, e claro, cachoeiras como dos Venâncios, Passo do S e Passo da Ilha, em um percurso de 110 quilômetros feitos em carro 4×4. O roteiro inclui travessias por dentro de rios e, durante o verão, permite banhos refrescantes em piscinas de águas cristalinas.

Prudentópolis, PR

Foto por Divulgação/ Setur

Foto por Divulgação/ Setur

A cidade, localizada no Centro-Sul do Paraná, conta com um belo conjunto de belezas naturais, formado por dezenas de cachoeiras – algumas, com quedas de mais de cem metros de altura – que lhe renderam o apelido de “Terra das Cachoeiras Gigantes”.

O Salto São Francisco é considerado o mais alto da região Sul e um dos mais altos do país, possui aproximadamente 196 metros de queda livre, onde a água transforma-se em névoa antes de tocar no chão. Antes desta queda maior, existe a chamada Cachoeira Menor. O acesso ao salto São Francisco é difícil, mas de grande apelo cênico, atravessando parte da Serra da Boa Esperança. Localiza-se a 60 km da sede de Prudentópolis, sendo 14 km em asfalto e 46 km em chão batido.

Já o Salto São João, com 84 m de altura situado no Rio São João, é um dos mais procurados para visitação devido à facilidade de acesso e à beleza do seu conjunto paisagístico. Possui grande volume de águas e no curso do rio, em trechos relativamente próximos, é possível tomar banho (com os devidos cuidados) onde há pouca profundidade. Está localizado numa área natural de grande beleza, onde é possível vislumbrar o Canyon do Rio São João.

E tem ainda os saltos Mlot, de São João e do Barão do Rio Branco – este último com acesso por escadaria de madeira com 496 degraus. Em alguns trechos, as corredeiras propiciam a prática do rafting.

Corupá, SC

Foto por Santur/ Iolita Cunha

Foto por Santur/ Iolita Cunha

Pequena, a cidade de Corupá, situada no norte do estado de Santa Catarina, abriga um roteiro bastante indicado para os apaixonados por cascatas. A Rota das Cachoeiras reúne 14 quedas d’água em uma área de 1.156 hectares.

Localizadas dentro da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Emílio Fiorentino Battistella, as cachoeiras são abastecidas pelo Rio Novo. Para visitá-las, é preciso percorrer um percurso de pouco menos de 3 quilômetros da trilha de Passa Águas. Além das quedas, a reserva guarda exuberantes fauna e flora, proporcionando um roteiro cheio de atrativos naturais.

Apesar de ser um caminho com subidas, quem chega até o final encontra uma grande – ou gigante – recompensa: a Cachoeira Salto Grande. Com 125 metros de queda, forma um belo espetáculo para seus visitantes.

O percurso leva, em média, 4h para ser realizado com segurança, e o lugar conta com infraestrutura de estacionamento, banheiros com chuveiro e churrasqueiras.”

Texto por: Eliria Buso

Foto destaque por IStock/ Michelle7623

Fonte: https://bit.ly/32se6PL

Compartilhe: